3/21/2017

CRÔNICA DE SAMPA


JOGOS DE INTEGRAÇÃO DA CEF 


S
ábado passado foi realizada a primeira maratona de Jogos de Integração entre os funcionários e dependentes da Caixa Econômica Federal de São Paulo.
Não só da capital mas do interior,também.  
O meu filho Danilo participou na competição de jogos virtuais, onde foi o Campeão disputando a final com um funcionário da Baixada Santista.
Também participou do torneio de futebol de salão, ficando em quarto lugar, e hasteou a bandeira de São Paulo na abertura do evento.
Eu também participei na modalidade de Futebol Soçaite de Master, e a nossa equipe ficou em segundo lugar.
Ficamos invictos, mas perdemos no saldo de gols. Joguei  na linha como atacante, mas também joguei um pouco como goleiro.
Desde 2003, quando o meu filho começou a trabalhar na CEF, a gente sempre participa destes jogos, principalmente na modalidade futebol; mas já participei anteriormente no torneio de pôquer e tênis de mesa.
O importante é a interação com todos os funcionários. Nesses quase catorze anos, fizemos excelentes amizades, inclusive com funcionários que moram no interior de Sampa.  
No próximo fim de semana vai acontecer a segunda maratona de jogos, mas desta não irei participar, somente meu filho Danilo irá jogar futebol Soçaite Absoluto, pela SR de Santo Amaro.
Com certeza estarei lá, juntamente com a minha esposa,- como torcedores -, pois não basta apenas ser pai e mãe, temos que participar e incentivar o filhão na prática esportiva e, se possível, com mais um título de Campeão.
Saudações tricolores!
Abraços a todos aí do Pará, ao mano Aldemyr de Icoaraci e de Belém, a “Metrópole da Amazônia”, onde mora a maioria dos meus primos.
Ah, sim. Um abraço também, pros remistas. O Leão
Azul atropelou o São Raimundo, de Santarém.
Só uma preocupação; o Santo pode excomungar todo time (!)

Valeu!





Os Campeões


O congraçamento da thurma em pose especial para esta coluna


O time de Futebol Soçaite de Master

♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦


Ricardo Uchôa Rodrigues

3/14/2017

COMEMORAÇÃO



Programa especial comemora os 45 anos da 'FEIRA DO SOM'


    Foto: Camila Lima

Sempre ao meio dia, de segunda a sexta-feira, a dona de casa Maria Gomes, moradora do município de Castanhal, nordeste paraense, sintoniza seu pequeno rádio de pilha na Rádio Cultura FM (93,7 FM). É o horário da "Feira do Som", o programa preferido dela há pelo menos 10 anos.  
"Nem sei dizer o dia em que comecei a ouvir o programa, mas sempre gostei da Rádio Cultura e ligava o meu rádio nesse horário porque era o tempo que eu ficava fazendo as tarefas de casa e as músicas sempre me relaxavam. Então, a partir daí, passou a ser um hábito mesmo, ouço sempre e adoro a programação musical. Sempre ao meio dia meu rádio fica ligado na voz do Edgar Augusto. Ele é inconfundível", conta ela.
Assim como a Maria, o programa radiofônico "Feira do Som" conquistou milhares de ouvintes pelo Estado. São 45 anos de história completados no dia 1º de março deste mês, 31 deles dedicados a Rádio Cultura do Pará. Para celebrar esta data, nesta quarta-feira (15), o programa ganha uma edição especial a partir das 20h, com transmissão ao vivo pela Rádio, Portal e TV Cultura. No estúdio, Edgar Augusto vai receber o Trio Lobista, Quarto Elemento, Lucinnha Bastos, Gerson Araújo, Gigi Furtado e Grupo Gema, que vão ajudar na edição comemorativa.
"Ao longo desses 45 anos tenho uma relação muito boa com os ouvintes. Eles ligam, mandam e-mail, mandam WhatsApp, participam mesmo. Um dos orgulhos que eu tenho é da diversidade do público, já que nós atingimos da classe A até a Z. Por exemplo, dia desses estava com meu carro estacionado atrás de um caminhão de lixo e buzinei para que eles me dessem espaço para sair. De repente vieram os dois trabalhadores do caminhão, me reconheceram e com um pedaço de papel me pediram para anotar os nomes deles para falar no ar no programa. Isso me dá um prazer muito grande, saber que o nosso trabalho pode ser ouvido por todos", conta Edgar.
Bordões e curiosidades
Desde 1972, a atração é comandada pelo radialista Edgar Augusto, que realizou um sonho de adolescente, como ele mesmo diz. No começo, Edgar e o irmão, Edyr, dividiram a apresentação da "Feira do Som" até o ano 1976, na então PRC – 5, hoje Rádio Clube AM. Na emissora, o programa ficou no ar de 1972 a 1982, passando depois a ser transmitido pela Rádio Cidade Morena, hoje Jovem Pan, onde permaneceu até 1985.
Na Rádio Cultura FM o programa estreou em 1986, contabilizando 31 anos de sucesso na emissora pública. De lá para cá, a atração já recebeu artistas nacionais como Alceu Valença, Elba Ramalho e Paulinho da Viola, entre outros, além de inúmeros artistas paraenses consagrados. 
Edgar conta que coleciona várias histórias ao longo desses anos, mas uma em especial ele lembra com carinho. Foi a passagem do compositor e violonista Carlos Althier Escobar, o Guinga, em 1999, que veio para fazer um show em Belém. "O empresário dele aqui em Belém perguntou se eu não queria que ele viesse ao programa, mas achei que não daria tempo pelo horário. Uma pessoa que chega de viagem quer saber de descansar, né? Não esperava mesmo. Eu fiquei naquela expectativa, mas não alimentei ilusões. Quando deu 13h30 a porta do estúdio abriu e o Guinga entrou com o produtor, com seu violão ao lado e muito bem humorado ele disse: - estou aqui para trabalhar! Eu fiquei em êxtase, ele fez um programa lindo! O Guinga, como um dos maiores violonistas brasileiros foi um marco no programa e a Feira do Som me deu isso de presente", relembra. 
Para fidelizar os ouvintes, Edgar utiliza a naturalidade de quem conversa com um velho amigo na sala de casa, de um jeito despojado. Com o apoio da produtora Alessandra Caleja, ele mantém um desafio diário para o ouvinte, sempre levando uma seleção de músicas garimpadas com carinho e curiosidades sobre Belém.
"A produção do programa é diária e nós garimpamos sempre novas bandas, novos músicos, porque os ouvintes do programa são muito exigentes. Eles ligam, participam mesmo, sugerem algumas coisas. Outra coisa bacana que o programa me acrescentou é conhecer mais a minha própria cidade, porque nós também trazemos histórias de Belém, fazemos perguntas aos ouvintes para o sorteiro de brindes, e isso faz com que eu pesquise bastante também. É importante tu falar de música, mas também é legal tu levar histórias da cidade", destaca Caleja.
Ao longo de todos esses anos, o programa foi adotando novos quadros e modificando também a história da música e do rádio paraense. Quem, em Belém, não conhece os quadros ‘Cantinho dos Beatles’, ‘No tempo dos Titios’ e os bordões clássicos de Edgar?   
"Os bordões vieram de pessoas próximas que eu tenho um enorme carinho e de quem eu ouço também. Daí eu digo, nossa vamos consagrar! E eu os adoto. Tenho um para cada dia. Por exemplo, na terça-feira é o dia em que todo mundo se diz recuperado, na quarta-feira já digo que começa a soprar 'um gostosinho arzinho de fim de semana', e por aí vai. Eu Acho interessante, é algo divertido, é para brincar com as pessoas, que levam a sério e repetem bastante esses bordões. Para mim é uma felicidade muito grande", completa o apresentador, que tem o apoio do operador de áudio Reginaldo Águia no programa.
"Antes de iniciar o programa nós fazemos uma programação e discutimos com o Edgar. Sempre buscamos trazer novidades para os ouvintes. Por exemplo, agora, durante o Carnaval, trouxemos marchinhas e os ouvintes gostaram muito. É sempre um prazer diário dividir este trabalho com o Edgar e a Alessandra", finaliza Reginaldo. O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, a partir do meio dia pela Rádio Cultura (93,7 FM), e também pode ser ouvido pelo Portal Cultura (www.portalcultura.com.br).

­­­_________________
Bruno Magno


3/03/2017

CRÔNICA DE SAMPA

Domingo na “Paulista”


Sampa é uma cidade que tem muitos bares, restaurantes, cinemas, parques, feiras, teatros e atividades culturais diversas.
Devido à crise em que estamos atravessando no nosso país, a alternativa é tentar fazer um programa bom e barato. 
A Avenida Paulista está sendo fechada nos domingos e feriados, e várias atrações são programadas, assim como, exposições, teatros, cinemas, shows, grande parte gratuitos ou a preços módicos.
Aliás, não só a famosa avenida, como toda a região, o Itaú Cultural; no prédio da Gazeta e neste último domingo foi inaugurado o Espaço Cultural da FIESP, com teatro, exposição de obras de artes, Sala de troféus, biblioteca e um belo espaço pra tomar café.
Às 11 horas, em frente ao belo prédio da FIESP, houve a apresentação da orquestra Bachiana Filarmônica do SESI-SP, regida pelo excelente maestro João Carlos Martins, em seguida foram abertas as portas e todos os presentes foram convidados a entrar para conhecer o novo espaço, foram servidos gratuitamente a toda a população, pipoca, algodão doce, pirulitos, água e sorvetes. 
No interior do recinto visitamos a Galeria de Artes, expondo os Tesouros Paulista,
a Galeria de Fotos com Modulações - Mary Carmem Matias e o Espaço café com o pianista Thito Neves tocando MPB. 
Houve três apresentações de peças teatrais no Teatro SESI e a tarde os cantores Luciana Melo e Jairzinho, infelizmente não ficamos para esses eventos.
Parabéns a toda a diretoria da FIESP, por este belo presente a nós paulistanos e todos que moram nesta bela metrópole brasileira. 
Sábado ainda fui no Morumbi com meus dois filhos, ver o meu tricolor contra o Mirassol e ceder um empate aos 47 minutos do segundo tempo, depois de estar ganhando por 2x0, mas foi um bom jogo.
Valeu o ingresso!
Fui!

* * * *

Ah, sim, envio desde Sampa as minhas saudações azulinas.
Antes que me esqueça: Mano: a sua Gaviões da Fiel tirou o 3º Lugar... está feliz pois não?!



            Av. Paulista
             
          
♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦


Ricardo Uchôa Rodrigues