1/29/2013

Antonio Pagliosa





VERDADEIRA E FALSA ADORAÇÃO A DEUS


Jesus nunca fez e jamais fará acepção de pessoas. Assim, quando Ele pediu água a mulher samaritana, disse-lhe: “Com a água da vida, você nunca mais terá sede. Eu sou a água da vida.”
Jesus sempre falou a muitas pessoas, mas a esta mulher samaritana Ele falou muito porque ela lhe pediu. E Jesus disse: ”Vós adorais o que não conheceis.”
Meu prezado, não é possível adorar o que não se conhece e se você não conhece a DEUS, você é um falso adorador. Freqüentemente ouço pessoas dizerem “Eu estou com Deus”. E estas pessoas não entendem e não admitem que DEUS não esteja com elas. Porém, de fato, DEUS não está.
Por quê? Porque DEUS busca adorador e só quem o conhece, o adora!
Ao ler João 4:22, entendemos que conhecer ao Senhor é o maior projeto e o maior desafio da vida de cada crente. Depois que você conhecê-lo e aceitá-lo como seu único salvador, sua vida será gloriosa, transformada, abundante.
Lutas e tribulações por certo virão, mas a vitória o alcançará. É bíblico!
No livro de Oséias, lemos que conhecemos e precisamos seguir em conhecer a Jesus. E em Oséias 13:5, lemos: “Eu, João (seu nome), conheci a DEUS no deserto e em terra muito seca.” Por quê? Porque quando se está numa situação confortável, isto é, sobra dinheiro e riquezas, geral e normalmente, as pessoas não se lembram de Deus. Que dirá adorá-lo!
Homens naturais não conhecem a Deus. Homens espirituais vivem na presença do Senhor e o Espírito Santo habita em cada um de nós, por isso louve-o todos os dias e alegre-se em sua presença.
O Espírito Santo não pode ser um ilustre desconhecido na vida dos cristãos e cada um de nós necessita da sabedoria que vem do alto e é impossível obtê-la se o Espírito Santo não estiver presente. É o pecado que afasta o Espírito Santo de você!
Deus Pai está no trono dos céus e Jesus está a sua direita e o Espírito Santo habita em nós. Isso, por enquanto!
Deus é Pai e é santo. Seus filhos são também santos. Em 1 João 3:1 e 2, Deus se revela a nós. Teremos corpo glorificado e veremos Jesus face a face e todos aqueles que já morreram, mas morreram em Cristo, terão também corpo glorificado e estarão para sempre no reino de DEUS.
 A Igreja nos edifica, porém o mundo jaz no maligno. Reflita: Onde estão os seus filhos no sábado à noite? Relembro com tristeza a tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria (R.S.), na madrugada deste domingo, dia 27 de janeiro de 2013. É uma prova triste que o mundo perece no maligno e nossos jovens, todas as pessoas, precisam estar na Igreja e não em casas noturnas onde reina o pecado que nos afasta de DEUS.
Em João 4: 23 e 24 entendemos que DEUS é Espírito, logo eu não posso adorá-lo como uma imagem. Tire as imagens de sua vida e de sua casa porque isto é abominação ao Senhor e DEUS quer que o adoremos em Espírito e em Verdade. Isto também é bíblico!
Só podem adorar a DEUS verdadeiramente, pessoas que são nascidas de novo, isto é, pessoas restauradas, transformadas. A verdadeira adoração é em Espírito, mas quem expressa a oração é a alma e precisamos subjugar nossa alma (porque ela não quer orar), para agradar e adorar a DEUS.
Em Isaías, 28: 11 e 12 percebemos que orar em línguas é descansar nos braços do Pai. Ora, ninguém sabe orar como convém e é por isso que quando falamos em línguas, é o próprio Espírito Santo que se manifesta, que se expressa e esta oração vai direto de seu coração para o coração de DEUS. Não há intermediários. É conexão direta, tipo on line.
E nunca chegue atrasado aos cultos e não perca o louvor porque no louvor você ministra o coração do Pai, razão porque o louvor é a parte mais importante do culto. E a palavra de seu pastor, durante o culto, aí é DEUS ministrando a você. Veja que louvor e palavra se complementam para um culto abençoado.
Precisamos amar a DEUS com o coração, com nossa alma (esta que precisamos subjugar porque quer conforto, prazer e mordomias), com todas as nossas forças e com todo nosso entendimento.
O poder de decisão, o nosso livre arbítrio está na alma e a alma se divide em intelecto, emoções e decisão. O nosso espírito vem de DEUS e é o espírito que comanda nossa consciência, nossa intuição e nossa comunhão. Portanto, querer ou não querer, pecar ou viver em santidade, é poder que está em nossa alma. É ela, (a alma) que dá prazer a vida e que caracteriza a essência do ser humano.
Domine, subjugue e aquiete a sua alma. A sua vida será uma benção maravilhosa quando conseguir isso. Exigirá esforço, mas a recompensa não tem preço.

Com carinho.

João Antonio Pagliosa
                                          
Curitiba, 27 de janeiro de 2013
Foto - João Gomes

Chalé Tavares Cardoso está sendo recuperado





Quem trabalha ou frequenta a área onde está situado o Chalé Tavares Cardoso, onde funciona a Biblioteca Publica Municipal Avertano Rocha, no distrito de Icoaraci, em Belém, já percebeu a diferença: mato e alagamento não ameaçam mais o prédio histórico, resultado da imediata intervenção da nova administração municipal.
A ação de limpeza e recuperação começou no dia 16, realizada pela Agência Distrital de Icoaraci (ADIC), Secretaria Municipal de Saneamento e Corpo de Bombeiros Militar, e desde segunda-feira/28, já é possível constatar que a água que alagava há cerca de um ano o subsolo do Chalé, alcançando cerca de dois metros de altura, foi totalmente escoada.
De acordo com a diretora geral da ADIC, Maristela Souza, a medida atendeu um pedido antigo da população. “Basta frequentar o Chalé por algumas horas para notar moradores e visitantes preocupados com a preservação histórica. Enfim, demos o primeiro passo. Agora estamos aguardando a equipe técnica para analisar o terreno e o prédio e começar a recuperar o patrimônio”, disse.
Desde que tomou conhecimento da situação do Chalé Tavares Cardoso, o prefeito Zenaldo Coutinho determinou providências imediatas para garantir a segurança dos funcionários e visitantes da biblioteca municipal, mediante a recuperação do patrimônio público.
Em função do descaso de gestões anteriores, foram detectados no prédio histórico, por exemplo, a presença de rachaduras, vidraças quebradas e o parapeito do andar de cima completamente deteriorado.
A partir de agora, a atual gestão municipal estuda formas de recuperar este patrimônio histórico que estava abandonado pela administração passada.
_____________
César Modesto

1/26/2013





23 anos de idealismo, luta e trabalho

Há cinco lustros um jovem icoaraciense recém formado   em Economia pela Universidade Federal do Pará (UFPa.) dava início a uma nova atividade pessoal e jornalística. Digo nova, porquanto ele já havia vivido uma experiência anterior como um dos colaboradores d´O Pinheiro, jornal que circulou por quatro anos em Icoaraci sob a responsabilidade do microempresário Fernando Negrão do fotógrafo Raimundo Herculano de Souza, ou simplesmente, Herculano Bispo, como era mais conhecido.
O nome do moço é José Santos Croelhas, ou simplesmente José Croelhas
Algum tempo depois Croelhas resolveu criar o seu próprio veículo. Surgiu o
Jornal de Icoaraci. Mas o jovem empreendedor “pé redondo” queria mais.
Ajudado por uma equipe de colaboradores – alguns dos quais permanecem com ele até hoje – montou a sua microempresa, a
 Menphis, numa homenagem à divindade fenícia que protegia os empreendedores – a Menphis Publicidade Ltda, que a partir aquele momento passou a ocupar o tempo do Croelhas.
A partir do escritório – transformado em redação – instalado numa residência na Travessa Cristóvão Colombo (atual Lopo de Castro) a poucos metros da Rua 8 de setembro que faz a ligação com a rodovia Augusto Montenegro, Bairro da Cigana, o
Jornal de Icoaraci começou a circular, sempre nos primeiros cinco dias de cada mês
Dois anos e meio depois, face ao sucesso do veículo não apenas na “Vila Sorriso”, como no interior – onde foi muito bem aceito – e ate mesmo no Ceará! Croelhas & Cia resolveram mudar o nome do jornal: nascia
 O ESTADO.
Com isso houve necessidade de trocar a razão social da microempresa que passou a ser denominada JS Publicidade, ou Empresa de Comunicação
 O ESTADO, nome de fantasia.
Nesses 22 anos de existência
 O ESTADO muita coisa aconteceu.
Citações e veiculação/transcrição de matérias interessantes nos maiores e melhores veículos que circulam no interior do Estado, mormente em Ananindeua, Santarém, Altamira e Marabá; Votos de Congratulações das duas casas legislativas, Câmara Municipal de Belém e Assembléia Legislativa do Estado do Para, através das manifestações de vereadores e deputados, etc...
Há dois anos O ESTADO apresenta uma performance gráfica de primeira linha e passou a ser impresso nas modernas oficinas de O Liberal - o jornal da Amazônia
Desde o primeiro número, o Jornalista, Advogado, Professor, Ex-Promotor de Justiça e imortal (Academia Paraense de Jornalismo) Carlos Alberto de Aragão Vinagre – foi o Editor Responsável d´O ESTADO, atividade que exerceu ate a sua morte há quase oito anos;
Coube a mim sucedê-lo, como Editor Responsável;
Não com a mesma com o mesmo talento e competência do ex-confrade; todavia, procuro seguir-lhe as pegadas.
Muitos profissionais que atualmente exercem o jornalismo em Belém passaram pela redação d´O ESTADO
 – inclusive a jornalista, filha de Icoaraci, Rose Barbosa - além de outros jovens amantes do jornalismo que adquiriram na redação, os fundamentos necessários e fundamentais para criarem os seus próprios veículos; ou seja, O ESTADO foi a escola de todo o mundo.
O ESTADO mudou de sede duas vezes. Da Travessa Lopo de Castro foi para a Travessa São Rocque, onde permaneceu cinco anos; e depois foi para a sede atual, Travessa Berredos, 592 – onde, por sinal, nasceu o criador Jose Croelhas. A 
Uma parte da casa foi cuidadosamente adaptada para abrigar definitivamente a microempresa, o jornal e os seus diversos departamentos.
De todas as promoções do jornal desde o inicio, a mais importante – que enche de entusiasmo todos os que fazem
 O ESTADO, e sem dúvida Os Melhores do Ano, que premia as personalidades que mais se destacam no período nos setores de atividades, em vários aspectos, cuja escolha e feita com isenção, critério e responsabilidade.
Essa promoção adulta é aguardada com ansiedade pela comunidade icoaraciense.
Normalmente “Os melhores...” são premiados durante um baile elegante. Este ano - possivelmente em maio -, a promoção será realizada no salão de bailes do Crown Plaza, certamente com o mesmo brilho dos anos anteriores.
Mas
 O ESTADO não pára.
Devido às suas diversas atividades como microempresário e homem de negócios, - e atualmente subscretário de Educação para Assuntos Estratégicos,
José Croelhas passou a responsabilidade de gerir O ESTADO, à filha, a administradora Rárima Croelhas Feio. Ela não deixou a peteca cair e esta levando o barco com muita garra e competência.
O ESTADO no mês dezembro último completou 23 anos; nesse não deixou  de circular nenhuma vez.

Eis um pequeno relato desses quase cinco lustros de existência d´O ESTADO – um jornal feito com idealismo, carinho, amor, trabalho e acima de tudo, competência... não importando os dissabores e as dificuldades.

Uma família que tem como meta servir a Icoaraci.


Sempre.
Aldemyr Feio
Editor Responsável
O ESTADO



José Croelhas,
criador d´O ESTADO





CIRROSE
Uma das sete principais causas de morte em países do Ocidente, a cirrose hepática está entre as dez doenças que mais matam no Brasil, com 20 mil óbitos por ano. Mais comum em homens com idade superior a 45 anos, é causada principalmente por consumo excessivo de álcool e obesidade, mas pode ser desenvolvida a partir de todas as doenças que levam à inflamação crônica do fígado, como hepatites virais e distúrbios do colesterol. A consolidação da doença segue um processo crônico, progressivo e silencioso de inflamações no fígado até formar múltiplos nódulos.
CIRROSEII
Segundo explicação da cirurgiã gastro-hepatologista Eloiza Quintela, quando os sintomas ficam mais claros e a pessoa descobre que a inflamação avançou, o fígado já não funciona bem e o tratamento apenas vai tentar preservar o órgão ao máximo. “O que é assintomático é a fase inicial, que dura de 1 a 15 anos se desenvolvendo, de forma silenciosa”, afirma ela, acrescentando que, na fase terminal, a doença exige o transplante do fígado. Nos últimos meses de 2011, um transplante chegou a ser cogitado para salvar a vida do ex-jogador Sócrates. O craque morreu em 4 de dezembro no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, após quatro internações. Na primeira, em agosto daquele ano, Sócrates admitiu que foi dependente de álcool e revelou ter cirrose.
CIRROSE III
De acordo com Eloiza, o alcoolismo atinge 15% da população brasileira e pode causar outros problemas além da cirrose, como câncer na boca, língua e esôfago. Entre os primeiros alertas para a cirrose estão perda da libido, aumento das mamas (nos homens), fraqueza, inchaço nas pernas e varizes, alteração nas cores da urina (escura) e das fezes (clara) e câimbras freqüentes. A abstinência total ao álcool e a vacina contra a hepatite B ajudam a evitar a cirrose. Além disso, Eloiza recomenda alimentação saudável e uso controlado de medicamentos, especialmente corticóides. Ela sugere, ainda, a realização periódica de exames médicos.
TABAGISMO 
Aprovada há mais de 1 ano, lei federal antifumo ainda espera por regulamentação para realmente passar a valer em todo o Brasil. Só oito Estados têm legislação própria. Graças a uma alteração na Lei 9.294/96, que foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 15 de dezembro de 2011, o Brasil já tem uma lei federal antifumo – que proíbe fumar em lugares fechados, privados ou públicos, e limita a propaganda de cigarros e similares. A legislação, porém, não surte qualquer efeito em território nacional.
TABAGISMO II 
 
Mais de 13 meses após ter sido publicada no Diário Oficial da União, a lei aguarda a regulamentação para valer de fato. “Teoricamente [a novidade da lei 9.294/96] está em vigor, mas como não está definida a regulamentação, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), as secretarias de saúde e outros órgãos ficam sem saber como agir para que seja cumprida”. A lei 12.546, que decreta a mudança na lei federal antifumo, deixa bem claro que as novas medidas “produzirão efeitos somente após a sua regulamentação”. Por isso, entidades que lutam contra as causas e os efeitos da dependência do tabaco pressionam o governo. Hoje só oito Estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Paraíba, Roraima, Rondônia e Amazonas – sabem como proceder contra os fumódromos. Isso porque se anteciparam e criaram leis estaduais antifumo.

OCIOSIDADE
 
O número de jovens brasileiros com idades entre 15 e 29 anos que não estudam, não trabalham e não procuram emprego já chega a 8,8 milhões no País, aponta pesquisa do IPEA. Eles não estudam, não trabalham e não procuram emprego. Conhecidos como “nem nem”, os jovens ociosos entre 15 e 29 anos já somam 8,8 milhões no País – o que representa mais de 17% dos brasileiros nessa faixa etária. Levantamento publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) no fim do ano passado mostra que o número de jovens nessa situação aumentou em 708 mil de 2000 a 2010.

OCIOSIDADE II
 
Os motivos que levam ao abandono da escola e do trabalho podem ser bastante diversificados. O certo é que a geração “nem nem” é um fenômeno de consequências perigosas para o futuro dos jovens e do País, como alerta Solange Kanso, uma das autoras da pesquisa. “Com pouco estudo e baixo rendimento, o jovem não consegue se preparar para o mercado. Não estar inserido no mercado resulta em renda ainda menor e isso afeta a frequência escolar, vira um ciclo vicioso”.

FINANCIAMENTO
Mototaxistas de todo o Estado que desejam adquirir motocicletas ou equipamentos para desenvolver a atividade agora contam com uma linha de crédito específica no Banpará. O valor do financiamento varia de mil a dez mil reais e pode ser pago em até 36 vezes. A gerente de microcrédito do banco, Rosa Almeida, explica que o objetivo da linha é contribuir para a geração de emprego e renda. “A nossa intenção é facilitar o acesso ao crédito e, assim, poder gerar ocupação e, consequentemente, renda”, observa. Segundo a gerente, a iniciativa ainda estimula a segurança no trânsito, uma vez que, para conseguir o financiamento, é necessário que o condutor obedeça a uma série de exigências, como o cadastro do departamento de trânsito do município onde ele vive e um curso de direção defensiva, ministrado pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran).
MOTINHAS
______________________________
 
__ 
Gesto digno de elogio, atitude nobre tomada pelo prefeito de Santarém Alexandre Von (PSDB) no jogo do São Francisco contra o Paragominas no ultimo domingo/20. Acompanhou o ilustre torcedor Franciscano número 1 Chico Coimbra ao estádio Colosso do Tapajós, para assistir a partida. Uma bela imagem. O empresário é genitor da primeira dama Zuíla Von. ••• Feijoada com muito pagode no próximo domingo (03.02) sob o comando da competente e renomada cheff Marlene Arlete. O evento será realizado no Spazio Melo Eventos na Curua-una entre Álvaro Adolfo e Borges Leal. Imperdível. Apenas R$ 7,00. ••• Problemas de visão podem dificultar o aprendizado e o desenvolvimento das crianças. Por isso, o projeto Olhar Brasil do Ministério da Saúde atua na identificação e na correção de problemas de visão de crianças da rede pública de ensino, vinculadas ao Programa Saúde na Escola. O Projeto foi criado em 2007 em uma parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação. ••• Os 91 anos do nascimento de Leonel Brizola, ocorrido na última terça-feira (22/01), foram celebrados em diferentes Estados brasileiros. Em Belém a homenagem foi comandada por Odair Corrêa e Shirley Silva. ••• Vereador Henderson Pinto (DEM) presidente da Câmara Municipal de Santarém, vai administrar o Legislativo com trabalho, dinamismo, independência e competência. Quem viver vera. ••• O Governo do Pará já concluiu o planejamento das campanhas de prevenção a acidentes com motores de barcos, que causam escalpelamento. Atualmente existem 29 comitês municipais instalados no Estado - 16 no Marajó, região responsável por quase 50% dos casos registrados em 2012, e 13 no Baixo Amazonas. ••• Mais de 93 mil servidores estaduais, o equivalente a 88% do funcionalismo, receberão os salários de janeiro com reajuste, incluindo o novo piso salarial do magistério e o percentual de aumento do salário mínimo, resultando em um acréscimo superior a R$ 15 milhões na folha de pagamento do serviço público estadual. O pagamento inicia nesta sexta-feira/25. ••• Neste domingo tem São Francisco x Tuna. Informo aos ilustres amigos que sou tunante, desde pequenino. Vamos ao estádio. Que vença o melhor. Transmissão: Rádio Ponta Negra AM ••• Meu amigo Nilson Natalino após vários meses na capital, retornou à Santarém. Cabo, seja bem vindo. ••• Neste sábado encontro marcado na Garapeira Ypiranga do grande amigo Cacheado. Presenças da Loira gelada, Ruiva Destilada, Morena Quente, Negra Gostosa e Bela Dalila. Fui.





CLÁUDIO BARRADAS. O



filósofo, O ator. O  diretor



O padre. Um grande homem








O meu querido amigo e irmão Cláudio de Souza Barradas completou no dia 25 de janeiro 11 anos de vida sacerdotal e 84 anos de idade. Acho que vale a pena falar um pouco desse padre.
Desde muito jovem acompanho os passos de Cláudio Barradas. Esse ator consagrado – com prêmios nacionais e internacionais e um dos principais elementos representativos da arte cênica do Pará – eu o vi pela primeira vez no palco do Teatro da Paz, interpretando o príncipe Omar, da peça Branca de Neves e os Sete Anões, adaptada por Maria Clara Machado, com música e arranjos da professora Maria Luísa Vella Alves, há mais de 60 anos.
Quando estava na Folha do Norte, estive várias vezes na casa de Barradas – ele morava na Rua Tiradentes, próximo à travessa Piedade – em companhia do poeta e ficcionista Eliston Altmann, que dirigia a página literária da Folha, publicada aos domingos na capa do 2º caderno.
Anos mais tarde, dirigindo a ATESC – Associação Teatro-Escola Santa Cruz, entidade ligada à Paróquia de Santa Cruz (Marco), que funcionava ao lado do prédio do antigo Hospital Juliano Moreira – onde hoje funciona a Faculdade de Medicina da UEPa -, eis que me vejo diante do diretor Cláudio Barradas.
Minha entidade – ATESC - estava participando do planejamento, ensaios, montagem e realização da peça Cristo Total, da irmã Benedita Idefelt (OSC), encenada em pleno regime de exceção, por duas vezes, no Estádio Francisco Vasques, da Tuna Luso Brasileira, e que reuniu mais de cem mil pessoas – um sucesso total – sob os auspícios do Círculo Operário Belenense, e do inesquecível padre Thiago Way.
Cláudio, àquela época no SESI, era o responsável pela direção geral.
Ele esqueceu de citar esse fato nas reportagens publicadas recentemente no Diário do Pará, assinadas por Oswaldo Coimbra.
Daí que a amizade com esse moço admirável frutificou. Tornei-me guru do ator e diretor Cláudio de Souza Barradas.
Muito antes disso, Cláudio Barradas já havia frequentado o seminário. Ele tinha 13 anos (atualmente tem 84, completados no dia 5 de janeiro passado) quando ingressou na antiga casa de formação da Arquidiocese de Belém – o Seminário Nossa Senhora da Conceição – levado por D. Alberto Ramos, que à época era apenas um padre diocesano.
Após oito anos, no finalzinho do curso de filosofia, Cláudio Barradas deixou o seminário para o desagrado, não apenas de D. Alberto Ramos, do padre Nelson Soares – que se tornou seu amigo e confessor – como de D. Mário de Miranda Villas Boas, que o tinha escolhido para os estudos complementares de Filosofia e Teologia em Roma, na Universidade Gregoriana.
Cláudio Barradas pintou, bordou, virou, mexeu; fez Letras Clássicas, inaugurando a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Pará - sonho do professor Antônio Gomes Moreira Jr – o nosso Moreirinha - falecido há quase 20 anos. Foi o primeiro lugar da turma... também... pudera... sabia Latim de trás pra frente e de frente pra trás! Em seguida abraçou de corpo e alma o teatro, sendo um dos primeiros alunos da Escola de Teatro da UFPa.
Mas nem Deus e nem D. Alberto se esqueceram do brilhante, irrequieto e desbocado e imprevisível seminarista.
Nas horas vagas, Cláudio ajudava nas paróquias. Colaborou em São José de Queluz, quando por lá passou o padre David Sá, atualmente afastado do ministério; São Francisco de Assis (Capuchinhos), participando do antigo Grêmio Bento XV – que revelou, entre outros, Assis Filho, advogado, jornalista, poeta, autor de teatro, escritor e ensaísta, falecido há três anos; e Sant’ana, do monsenhor Nelson Brandão Soares (aposentado), onde aprendeu tudo sobre música, regência etc, além de integrar a Schola Cantorum e, de quebra, fazia teatro na Igreja duas vezes por ano, na Semana Santa e no Natal.
Quando Nelson foi para a catedral, Cláudio Barradas o acompanhou. Tinha tudo a ver.
Naquela Igreja ele foi batizado; aprendeu o catecismo; recebeu a primeira eucaristia (ou primeira comunhão, como se dizia até há algum certo tempo); foi cruzado e recebeu o sacramento da Crisma, das mãos de D. Mário.
Já aposentado da UFPa. e com o tempo livre, passou a exercer um monte de atividades no Curato da Sé.
Um belo domingo de Páscoa, D. Alberto logo após a celebração do Pontifical, ao desfazer-se dos paramentos sacros, com a ajuda do Cláudio, dirigiu um olhar firme e ao mesmo tempo sereno e paternal ao acólito, e perguntou: “Cláudio, você aceita ser ordenado”? Já é tempo, não acha?... Você começaria de baixo, leitor, diácono e depois viriam as demais funções do presbitério até à Ordem, propriamente dita. Não sou eu quero, é Deus que O chama".
A pergunta soou para Cláudio Barradas, segundo as suas próprias palavras, como um “chute no saco”. Ele não titubeou, em lágrimas disse SIM.
A partir daquele momento tudo mudou na vida desse homem. Deixou de lado a vaidade e os seus muitos títulos mundanos e foi para o Seminário São Pio X, como qualquer um outro postulante ao sacerdócio.
Como já tinha praticamente todos os créditos necessários, concluiu a parte que faltava de Filosofia e estudou Teologia. Fez o tirocínio na Catedral auxiliando (ainda mais) monsenhor Nelson Soares nas atividades paroquiais.
No dia 25 de janeiro de 1992 – Dia da Conversão de São Paulo - foi ordenado lá mesmo na Catedral, sendo nomeado vigário auxiliar. No dia 02 de fevereiro de 1993, D. Zico o designou para a Paróquia de Santa Isabel de Portugal, no município de Santa Isabel, - que à época ainda pertencia à Arquidiocese de Belém -, onde realizou um trabalho pastoral, dos mais edificantes e maravilhosos.
Cláudio Barradas não perdeu tempo e logo no início montou uma equipe de teatro e de música. Tão contagiante foi o seu trabalho que muitos crentes se converteram à fé católica. Ele foi um dos precursores da Renovação Carismática.
Eu estive lá. Passei uma quarta-feira inteira fazendo uma reportagem para o Nosso Jornal, - um semanário editado por Salomão Laredo, já extinto -; e posso dar o meu testemunho.
Cláudio confessou que prefere estar junto ao povo humilde do interior, sentindo o cheiro de mato. “Essa gente é mais autêntica. Todos me querem bem"!.. não obstante o seu gênio explosivo... uma das suas características. É verdadeiro, positivo, autêntico: não leva desaforo para casa.
Mas ao mesmo tempo é inofensivo. É doce.
João Carlos Pereira, acadêmico, jornalista, professor é quem diz:
Gostaria, um dia, de ter a coragem de Claudio Barradas e chegar ao sacerdócio. Sei que meu caso é mais complicado, porque sou casado e tenho um compromisso com a família, o que vem a ser uma maneira de louvar a missão que Deus me confiou. Mas pulsa, em meu coração, um desmensurado amor pela Igreja à qual me converti e um desejo imenso de servi-la, no altar. Essa decisão, antes que possa tomá-la, repousa nas mãos do Santo Padre. Sacerdotes casados, no rito romano da Santa Igreja Católica Apostólica, ainda é uma figura inexistente. Mesmo assim, não é impossível pensar que, em algum momento, o Papa poderá permitir que casados recebam as sagradas ordens e possam confessar e consagrar.
Vejo na doce figura de padre Claudio, um exemplo edificante. Hoje, conhecendo-o melhor, admiro-o ainda mais. O homem que caminhava para as delícias da aposentadoria, redirecionou seus passos no sentido do trabalho. Numa idade em que muitos querem parar, ele pediu serviço e o Senhor o atendeu. O serviço pela vida, pela Igreja, pela vida, enfim, fez de um homem bom, um ser humano raro”.
Após algum tempo o nosso sacerdote foi transferido da Paróquia de Jesus Ressuscitado - Conjunto Médice I/Marambaia, onde atualmente se encontra.
E nessa terça-feira, 25 de janeiro, dia da conversão de Paulo de Tarso no caminho de Damasco, dia escolhido por Cláudio Barradas, para a sua ordenação, o meu irmão e amigo completou 13 anos de padre. Oxalá que as palavras de Melchisedeque o acompanhem para todo o sempre, e que ele possa, através das suas virtudes, com o seu valor com a sua inteligência, com o seu teatro e a humildade, trazer muitos servos para a Messe que tanto necessita.
Tem mais - Em 2010 o tradicional Sermão das Três Horas da Agonia foi pregado pelo padre, filósofo e ator Cláudio de Souza Barradas. Durante 190 minutos o nosso jovem-idoso-sacerdote nos presenteou com uma lição de vida, filosofia, da Igreja Católica, de Cristo, O Filho de Deus.
Na explicação das três últimas palavras, das sete que Cristo disse na Cruz, Cláudio, visivelmente emocionado, quase que se deixa vencer pela comoção!
Foram justos os aplausos de pé provindos da seleta plateia presente na Capela de Santo Antônio, no centro de Belém. Creio que esses aplausos vieram de todo o mundo já que a prédica foi transmitida por satélite pela TV Nazaré - Canal 30.
O sermão virou livro. Rapidamente esgotado.
Cláudio Barradas já teve a sua consagração em vida. Um teatro na Travessa Jerônimo Pimentel, inaugurado em 19 de junho de 2009 tem o seu nome.
Situado num bairro central de Belém, o conjunto formado pelo Teatro Universitário e a Escola de Teatro e Dança, tem como função contribuir para o desenvolvimento das Artes Cênicas no Pará.
Assim sendo, o Teatro Universitário Cláudio Barradas - no mesmo local onde funciona a Escola de Teatro e Dança - se constitui em um espaço aberto aos inúmeros grupos artísticos da cidade e da região com os quais poderá estabelecer uma prática enriquecedora, com capacidade para 260 espectadores sentados.
Há 19 anos resolveu retornar ao teatro; e nesses quase quatro lustros atuou e dirigiu várias peças.
Em dezembro passado com atores da comunidade da Paróquia Jesus Ressuscitado, no Conjunto Médici 1, no bairro da Marambaia, encenou "Morte e Vida Severina", a famosa obra de João Cabral de Melo Neto - escrita entre os anos de 1953 e 1954 - que ficou em cartaz sob a forma de Auto de Natal até 6 de janeiro último.
A montagem toda composta em poesia contou com mais de vinte atores, cantores e músicos que representaram o drama da seca nordestina sob trilha composta por Chico Buarque de Hollanda. As apresentações aconteceram diariamente na Igreja de Jesus Ressuscitado, sempre após a missa das 19 horas.
Finalmente Cláudio Barradas deu um depoimento para a posteridade sobre a memória viva do teatro paraense no programa “Ribalta” da TV Cultura – Canal 2, em gravação feita no Teatro Claudio Barradas da Escola de Teatro e Dança da UFPA.
O registro foi gravado em DVD e encaminhado à TV Brasil onde foi mostrado em todo o Brasil. Além da entrevista, o DVD mostrou 'extras' com fotografias de espetáculos do ator e o making off da gravação. 'Ribalta' é um projeto da Universidade Federal do Pará, sob a iniciativa do Teatro Claudio Barradas, com apoio da Pró-reitoria de extensão da UFPA, Fundação de Amparo à Pesquisa (Fadesp) e coprodução da Academia Amazônia.

Deu certo.

Mais uma consagração para o padre Dr. Cláudio de Souza Barradas


Como disse linhas acima, Deus e D. Alberto não perderam o Cláudio Barradas de vista.

Foto: João Gomes

ZENALDO discute com auxiliares metas para 2013
Antes de findar o primeiro mês de gestão, o prefeito Zenaldo Coutinho convocou os titulares da administração municipal para uma reunião de balanço das primeiras ações de cada secretário e com isso traçar metas para os demais meses deste ano. Na ocasião, cada dirigente teve a oportunidade de apresentar um diagnóstico financeiro, físico e operacional da sua secretaria ou órgão. O encontro aconteceu bo último dia 23 e se estender atéo outo dia,
De acordo com Zenaldo, deve ser implementada em Belém uma forma de gestão inovadora, com foco na qualidade da prestação dos serviços públicos e em resultados. “Hoje, a nossa lógica premia o servidor por tempo de serviço e não pelo que ele faz pela população. E nós queremos que eles sejam estimulados e premiados pela produtividade, por servir bem ao público. É o cidadão que deve ser protegido”, defendeu o prefeito.
O diálogo com os secretários deve continuar. Outras 
reuniões estão previstas para orientar sobre o modelo de 
administração a ser desenvolvido. A proposta é fazer consultorias, trazer gestores de outras cidades brasileiras e 
mostrar bons exemplos de gestão pública.
Descentralização Orçamentária - Zenaldo Coutinho aproveitou a reunião com a equipe de governo para comunicar a descentralização das finanças do município. Com a novidade, cada gestor será responsável pela administração dos gastos do órgão que gere. Antes, apenas algumas secretarias dispunham de orçamento próprio. As demais dependiam de liberação de recursos pelo gabinete da prefeitura para o planejamento e execução de projetos.
Zenaldo também advertiu que junto com o recursofinanceiro é preciso transparência e cuidado com o 
bem público.“Apartir de agora, nenhuma dispensa de 
licitação está autorizada. Nós só fizemos isso em relação à 
secretaria de Saúde, porque não podíamos deixar ninguém 
morrer na porta dos hospitais por falta de medicamento”, 
ressaltou o prefeito. Ele enfatizou ainda a importância de 
manter as exigências legais e definidas pelas comissões de
licitação para as futuras compras.

As empresas e fornecedores locais, por sua vez, devem tera 
atenção especia dosgestores.Aassessoriajurídica da 
prefeitura já está estudando formas de garantir com  que 
eles tenham condições de competir com grupos de fora. A 
determinação prevê a valorização dos empreendedores 
paraenses.
__________

* Comus






Profissionais e 


autoridades


internacionais 


debatem a violência 


contra jornalistas



Promovido pela Federação de Jornalistas da América Latina e Caribe (Fepalc) e pela Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ), o Seminário Internacional de Direitos Humanos e Jornalismo reuniU, nos dias 18 e 19 de janeiro, em Porto Alegre, profissionais e autoridades internacionais para debaterem a violência contra jornalistas e alternativas para superação do problema. O tema ganhou ainda mais relevância diante da constatação de que 2012 foi um dos anos nos quais foram registrados mais assassinatos de profissionais de comunicação no mundo.
Realizado pela FENAJ com apoio do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, o evento reuniu personalidades de destaque internacional como Marcelo Duhalde, do Arquivo Nacional da Memória da Secretaria de Direitos Humanos da Argentina, Roger Rodríguez, jornalista investigativo do Uruguai, José Pablo Peraza, Diretor de Jornalismo da Rádio Progresso de Honduras, Grisel Bethancourt, ex-presidente do Colégio Nacional de Jornalistas do Panamá e Ernesto Carmona, jornalista e escritor, organizador do livro "Morir es la Noticia", sobre crimes contra jornalistas durante a ditadura de Augusto Pinochet, no Chile.

Já entre os destaques brasileiros que participaram do Seminário estão a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o deputado Protógenes Queiróz (PCdoB/SP), autor do projeto de lei que prevê a federalização das investigações de crimes contra jornalistas, Beth Costa, Secretária Geral da FIJ e o jornalista investigativo Carlos Alberto Kolecsa.

O Seminário será no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, com início às 9 horas do dia 18 de janeiro, e contará com a participação de jornalistas e autoridades da Argentina, Venezuela, México, Chile, Uruguai, Paraguai, Honduras, Panamá, Colômbia e Brasil. Às 19 horas haverá solenidade de instalação da Comissão Memória, Verdade e Justiça dos Jornalistas Brasileiros, composta por Audálio Dantas (SP), Nilmário Miranda (MG), Rose Nogueira (SP), Carlos Alberto Caó (RJ) e Sérgio Murillo de Andrade (SC).

Direitos Humanos




Nota oficial


Violência contra profissionais de comunicação faz mais uma vitima

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) lamenta o assassinato de mais um profissional da comunicação, o radialista Renato Machado, sócio da Rádio Barra FM, do município de São João da Barra (RJ). De acordo com informações veiculadas pela imprensa, o profissional foi atingido por vários tiros, na porta da emissora, na noite de terça-feira (08/01/13).

A FENAJ solidariza-se com os familiares, amigos e colegas de trabalho do radialista, ao mesmo tempo em que se soma às entidades que já manifestaram pedindo a apuração rigorosa do caso, com a identificação e punição dos culpados.

A FENAJ lembra que, em 2012, onze profissionais da comunicação foram assassinados, dois quais quatro eram jornalistas e sete eram radialistas ou donos de pequenos veículos de comunicação.

Os assassinatos de jornalistas e outros profissionais da comunicação, além de atentado à vida, são também crimes contra a liberdade de expressão e o direito à informação. São, portanto, crimes que não podem ficar impunes, sob pena de prejuízos à democracia e ao pleno exercício da cidadania do povo brasileiro.

Brasília, 9 de janeiro de 2012.
Diretoria da Federação Nacional dos Jornalista
s.



Violência

Relatório da FIJ registra 121 assassinatos de jornalistas em 2012

Com seis casos, o Brasil ficou em 5º lugar na lista de países com mais assassinatos de jornalistas e trabalhadores da mídia em 2012. O relatório apresentado pela Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) no dia 31 de dezembro registra que o ano passado foi um dos mais sangrentos para os jornalistas. Segundo os dados da entidade, 121 profissionais foram assassinados no exercício de suas funções ou devido às suas atividades.

Para o presidente da FIJ, Jim Boumelha, esses números terríveis provam o fracasso dos governos e das Nações Unidas para cumprir as suas obrigações internacionais de proteger o direito fundamental à vida dos jornalistas. "O número de mortos em 2012 se torna uma acusação contra a falta de convicção dos governos no fornecimento da proteção aos jornalistas. Obviamente não conseguiram parar este massacre" , disse.

Boumelha destaca que esse nível elevado de jornalistas mortos tornou-se uma característica constante da última década, durante a qual a reação normal das Nações Unidas e dos governos foi de apenas algumas palavras de condenação e uma investigação superficial e indiferente. Segundo a FIJ, que desde 1990 publica relatórios anuais dos profissionais de mídia que morreram em incidentes relacionados com a sua atividade profissional, ao contrário do que muitos pensam, não foram as guerras que motivaram a maioria dos casos de mortes de jornalistas, mas sim os "crimes encomendados" para silenciar os profissionais que publicaram denúncias ou realizavam trabalhos investigativos.

O relatório da FIJ apontou, em 2012, as mortes dos brasileiros Valério Luiz (Rádio Jornal 820/GO), Décio Sá (Jornal O Estado do Maranhão e Blog do Décio/MA), Paulo Roberto Cardoso Rodrigues (Jornal da Praça/MS), Mário Randolfo Marques Lopes (Vassouras na Net/RJ), Laécio de Souza (Rádio Sucesso FM/BA) e Eduardo Carvalho (Portal Última Hora News/MS).

A Síria lidera o ranking de países onde ocorreram mais casos de mortes de jornalistas em 2012, com 35 casos, seguida pela Somália com 18 registros. Além dos 121 casos de mortes de jornalistas no exercício da função, o relatório da FIJ arrola mais 30 mortos por acidente ou doença relacionada com a prática do jornalismo em 2012.

Em novembro passado, na Conferência das Agências das Nações Unidas realizada em Viena (Áustria), foi lançado oficialmente o Plano de Ação da ONU para segurança de jornalistas e combate à impunidade. Para Beth Costa, Secretária Geral da FIJ, é hora de pressionar os governos para cumprirem este Plano. "A situação é tão desesperadora que a inação não é possível" , destacou.

1/24/2013

RAY CUNHA




As cartas de 
Aécio Neves na Amazônia; fisiologismo e nepotismo do tucanato 
papa-chibé





Descrição: http://mail.mailoi.oi.com.br/mail/images/cleardot.gif
Descrição: http://mail.mailoi.oi.com.br/mail/images/cleardot.gif

BRASÍLIA, janeiro de 2013 – O senador Aécio Neves (PSDB/MG) terá três cabos eleitorais imprescindíveis, na Amazônia, durante a jornada rumo à presidência da República, no próximo ano: o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto; o governador do Pará, Simão Jatene; e o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, todos tucanos. O novo prefeito da maior cidade da Hileia derrotou Luiz Inácio Lula da Silva numa cidade onde o ex-presidente, feroz inimigo de Virgílio, quase obteve a unanimidade em 2006.
 Artur Virgílio Neto, manauara de 1945, graduou-se em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e é diplomata de carreira formado pelo Instituto Rio Branco. Na juventude, militou no PCB, PMDB, PSB e PSDB, do qual foi um dos fundadores. Em 1978, candidatou-se a deputado federal pelo MDB, chegando à primeira suplência, e em 1982, conseguiu eleger-se. Em 1986, foi candidato a governador do Amazonas, sendo derrotado por Amazonino Mendes. Em 1988, foi eleito prefeito de Manaus pelo PSB, derrotando o ex-governador Gilberto Mestrinho, e um ano depois migrou para o PSDB, que ajudou a fundar no ano anterior. Em 1994, elegeu-se novamente deputado federal e foi reeleito em 1998. Líder do governo Fernando Henrique Cardoso na Câmara, exerceu também o cargo de ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República. Em 2002, elegeu-se senador e em 2003 se tornou líder da bancada do PSDB no Senado. Como líder da oposição, foi um dos críticos mais ferrenhos do presidente Lula. Em 2006, novamente candidato ao governo do Amazonas, ficou em terceiro lugar. Em 2010, vítima de feroz campanha de Lula, perdeu para a comunista Vanessa Grazziotin a vaga no Senado, derrotando-a no segundo turno, em 2012, para a prefeitura de Manaus, apesar de Grazziotin ter recebido apoio pessoal de Lula, que desfechou ataques virulentos àquele que sempre o colocou no seu lugar. Até a presidente Dilma Rousseff, a mando de Lula, se empenhou pela derrota de Virgílio.
 Segundo o jornal A Crítica, a Câmara Municipal de Manaus aprovou lei encaminhada dia 8 pelo Executivo promovendo a reforma administrativa mencionada reiteradas vezes por Artur Virgílio, que fundirá e extinguirá órgãos e cargos, reduzindo de 33 para 25 as instituições da administração direta e indireta, e de 42 para 45 as subsecretarias. Também a Câmara Municipal aprovou projeto de lei enviado pelo prefeito que reduz o salário dele, do vice, secretários e subsecretários. O prefeito e o vice passaram de R$ 24 mil para R$ 18 mil e de R$ 23 mil para R$ 17 mil, respectivamente. Secretários, que ganhariam R$ 18 mil, passarão a receber R$ 15 mil, e subsecretários tiveram redução de salário de R$ 17 mil para R$ 14 mil.
Manaus, a mais populosa cidade da Amazônia, com 1.861.838 habitantes (IBGE/2012), é uma urbe europeia cercada por favelas em palafitas, como um tumor que joga carnicão no rio Negro. A reforma administrativa desarticulará várias máfias, que vêm mamando há décadas, e isso dará autoridade moral para Arthur Virgílio fazer, no próximo ano, o que ele melhor sabe fazer: falar com propriedade, mostrando que se o país continuar nas mãos do PT perderemos o bonde da História. Arthur Virgílio leva uma vantagem sobre o governador do Pará, Simão Jatene, e Zenaldo Coutinho, prefeito de Belém, a mais importante cidade da Amazônia, embora não seja a maior: o prefeito de Manaus tem projeção nacional. E caso Virgílio consiga sanear Manaus, reeleger-se-á, e poderá, em 2018, se tornar governador do Amazonas.
PARÁO governador Simão Robison Oliveira Jatene, belenense de 1949, mestre em economia, professor universitário e músico, um dos fundadores do PSDB, é o líder máximo do partido no Pará, que governou de 2003 a 2006. Renunciou a disputar a reeleição em favor de Almir Gabriel, derrotado pela então senadora Ana Júlia Carepa. Em 2010, foi eleito novamente, derrotando Carepa, desgastada pela sua inacreditável incompetência, que quase põe o Pará a pique, isto é, de joelhos perante o governo federal. Mas será o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, o grande cabo eleitoral de Aécio Neves no Pará, por uma razão: Zenaldo é um estudioso da região e sabe falar. Contudo, o PSDB paraense poderá se transformar num telhado de vidro, pois o fisiologismo e o nepotismo tucano em terras papa-chibé é de fazer corar até Ana Júlia Carepa. 
 Zenaldo Rodrigues Coutinho Júnior, 52 anos, bacharel em direito, quatro vezes deputado federal pelo PSDB, liderou o não à fragmentação do Pará em três estados, e coordenou a campanha vitoriosa de Simão Jatene de volta ao governo do Pará. Ano passado, foi um dos fundadores da Frente Parlamentar em Defesa da Amazônia e do seu Povo, e logo depois realizou e presidiu o seminário Povo e Floresta: Amazônia Sustentável – Rumo à Rio+20. Em entrevista concedida a mim, em 14 de fevereiro de 2012, Zenaldo Coutinho disse que “Belém precisa voltar a ser a capital da Amazônia”, referindo-se à importância histórica da Cidade das Mangueiras, ultrapassada populacional e economicamente por Manaus. Maltratada durante anos a fio, a última década e meia foi inclemente para a Cidade Morena. Os antecessores de Zenaldo, Edmilson Rodrigues, prefeito de 1997 a 2004, então no PT e hoje no Psol, e Duciomar Costa, do PTB, prefeito de 2005 a 2012, quase puseram Belém a pique.
Perguntei a Zenaldo qual o principal problema de Belém e ele respondeu que era “ausência de autoridade”. Afirmou: “Nós temos um conjunto de problemas que decorrem da falta de ação; muitas vezes, da absoluta inoperância da administração municipal, o que resulta em situações dramáticas. Belém é uma das capitais com menor índice de esgotamento sanitário do país, temos trânsito caótico, serviço de saúde ineficaz, insignificante, sistema educacional irrisório. Precisamos modernizar, aparelhar, equipar e ampliar a rede municipal de ensino fundamental, da mesma forma que temos que ampliar os serviços de saúde. As pessoas estão padecendo muito em Belém. Além da ausência de autoridade, há ainda falta de carinho para com a população. Belém precisa ser vista como extensão das casas de todos. Belém já foi a metrópole da Amazônia, e tem que voltar a sê-lo”.
Zenaldo é a esperança dos belenenses que apostaram nele, e um dos pilares de Aécio Neves na Amazônia. Pessoalmente, tem a perspectiva de se reeleger em 2016, tornar-se sério aspirante ao governo do Pará, em 2018, e encerrar sua carreira política como senador, se cortar na própria carne e fazer algo que ninguém tem peito para fazer em cidade alguma deste pais: sanear Belém.

•••••••
 
 RAY CUNHA – Escritor e Jornalista baseado em Brasília-DF, Brasil