11/23/2006

Reginaldo Pena promete um Círio das Graças, belo e majestoso

O casal Reginaldo/
Luzia Pena




Neste domingo o povo católico de Icoaraci realizará o 54º Círio de Nossa Senhora das Graças. Esta majestosa procissão – considerada a segunda maior de Icoaraci – é realizada sempre no quarto domingo de novembro. Todo ano é eleito um Coordenador, uma espécie de vice-presidente das Festividades, já que o presidente é o vigário da Paróquia de Nossa Senhora das Graças e São João Bária, no caso, o padre Raimundo Possidônio Carrera da Mata, carinhosamente chamado de Padre CID. O Coordenador chefia uma grande diretoria, e é o grande responsável pelo Círio.
O contador e microempresário Reginaldo Garcia Pena, muito embora não tenha nascido em Icoaraci – é filho de Soure- desde tenra idade adotou a Vila Sorriso como sua segunda cidadania, conforme as suas próprias palavras.
Aqui cresceu, fez o 1º e 2º graus no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, e estudou no antigo CEFEP, tornando Técnico em Metalurgia. Posteriormente formou-se Contador pelas antigas Faculdades Integradas do Colégio Moderno (atual Unama). Não satisfeito, após 20 anos. resolveu fazer uma pós-graduação em Gestão Empresarial ainda na Universidade da Amazônia/Unama. Reginaldo junto com o irmão e sócio Risomar Garcia Pena, administra a Casa Pena – A Tradição da Vila – um dos mais antigos estabelecimentos comerciais de Icoaraci.
Reginaldo – juntamente com a esposa Luzia Lavor Pena - integra há 22 anos o Encontro de Casais com Cristo (ECC de Icoaraci) fazendo parte do “Grupo Aliança” desde o início. Há 12 anos é sócio do Lions Clube de Belém-Icoaraci, de onde já foi presidente e, atualmente, é diretor tesoureiro – Gestão da pedagoga Maria de Nazaré do Ó.
Reginaldo é veterano na coordenação do Círio. Já exerceu essa função cinco vezes em anos alternados. Por seu devotamento à causa da Igreja de Icoaraci e à Senhora das Graças, além do talento e dinamismo foi chamado de volta. Pela 6ª. vez.

Desde quando começou a preparação para o Círio de Icoaraci 2006?
R – Desde março
De quem surgiu a idéia do slogan do Círio desde ano Maria ensina teu
Povo a rezar como Jesus nos ensinou?
R – Foi o padre Cid quem criou
Quais as providências quanto às peregrinações?
R – Existe uma diretoria que cuida exclusivamente das peregrinações, tem dias que chegam a ter três peregrinações.
Como está constituída a diretoria deste ano e quais os critérios para a
escolha dos nomes?
R - A diretoria está constituída de 14 equipes com seus diretores e respectivas equipes, somando ao todo 70 diretores.
Quanto importa em números ($$), ou seja, qual o montante investido na realização do Círio?
R – O custo total das despesas está orçado em R$ 50.000,00 (cinqüenta
mil reais). Isso inclui pintura da Igreja, a construção dos arcos, ornamentação, corda do Círio, e despesas diversas.
De onde vem esse dinheiro?
R – Patrocinadores, aluguel de espaços no arraial, aluguel do parque, etc..
O Ita Central Park estará novamente abrilhantando o arraial este ano?
R - Sim, com as ultimas novidades do Círio de Belém.
E arraial... quais os melhoramentos introduzidos?
R - Reforma total da antiga Barraca da Santa, toda com recursos próprios.
Teve alguma alteração no esquema geral do Círio?
R – Não
E as homenagens? São as mesmas?
R - Sim são as mesmas dos anos anteriores aumentando apenas duas novas
homenagens.
Quem são os pregadores da quinzena?
R – Padres Dilermano Freitas, Joel Oliveira, Jonas da Silva, José Maria Ribeiro, Antônio Cardoso, Romeu Ferreira da Silva, Raimundo Possidônio Carrera da Mata (Padre CIO), Aguinaldo Ramos, José Gonçalo, Francisco Sadeck, Irineu Roman, Jayme Pereira, Adailson Oliveira – ordenado em Icoaraci, recentemente - e George Jenner Evangelista França.
D. Orani virá acompanhar e/ou celebrar a Missa da Chegada?
Sim
Quer acrescentar mais alguma coisa?
Sim. Se você me permite, gostaria de agradecer publicamente ao Governo do Estado, Prefeitura Municipal de Belém, Agência Distrital de Icoaraci, Banda de Música da Polícia Militar, 4º Batalhão Independente da Policia Militar, Corpo de Bombeiros, Cruz Vermelha, Defesa Civil, Sesma, CTBel e Guarda Municipal, Cefap, Indústria e Comércio, Escolas de Icoaraci, redatores e redatoras dos encontros das peregrinações, diretores e todas as equipes de trabalho do Círio.
Além disso, gostaria de fazer um agradecimento especial aos seguintes colaboradores: Caldo de Cana da Rose, Casa Pena, Ciclo Peça Monark (João Souza), DCI – Distribuidora Cerpa de Icoaraci (Luiz Alves), Dr. Jorge Arbage, EBATA – Produtos Florestais (Leônidas Ernesto de Souza), EMPASA (Mario Campos) Griffo Comunicação, Ita Center Park, Sra. Maria José Tourinho e família, Moreira Confecções, Nossa Água, O Peruano Descartáveis, Paulo César Costa Lima e família, Rui Garcia e família, Saint-Gobain Brasilit Ltda, Rufino Recepções (João Guilherme Rufino), Maria Clara Pena de Carvalho (Maria Clara Recepções), Meriam Xerfan Cordeiro, Supermercados Líder, Tintas Renner, Tramontina Norte S.A. (Antônio Pagliari) e Urucuri – Materiais de Construção (Mário, Jorge e Narja Oliveira).
Quero desejar a todos e todas as famílias um ótimo e abençoado Círio de Nossa Senhora das Graças

11/18/2006

Parabéns, Dani, Valeu!


Daniela Filgueiras, uma bela morena de longos cabelos negros, olhos grandes, brilhantes e espertos; dona de uma pele reluzente da cor de jambo e muito inteligente, foi a grande responsável pela matéria sobre Icoaraci - 1ª. Parte - exibida ainda a pouco, às 14 horas, no vídeo da TV Cultura - Canal 2, dentro do programa Bem Pará.
Com 60 minutos de duração divididos em três blocos de 20 minutos, o Bem Pará deste sábado, simplesmente encantou.
A impressão que deu a todos os que o assistiram – pelos meus cálculos, mais da metade dos quase 300 mil habitantes de Icoaraci, ou seja, audiência total, totalíssima, totalicíssima, como dizia o finado comunicador Almir Silva - o programa foi feito com muito carinho e caprichosamente produzido pela equipe da diretora Moema Mendes.
Tanto o texto -simples e objetivo - como a trilha sonora, o roteiro, o som – ambiente e acústico -, os enquadramentos de câmera, a edição etc... foram simplesmente demais e agradou, acredito, a gregos e a troianos.
Digo isso, porque, após o encerramento do programa fui até ao centro de Icoaraci – que fica aqui próximo - para tentar ouvir a opinião do povo... se bem que antes, eu tinha feito uma senhora propaganda lá mesmo, no centro.
Não me enganei: todo mundo gostou.
Inclusive o senhor Orlando Figueiredo Cunha que foi um dos protagonistas do programa, no primeiro bloco, estava exultante.
Se o povo que se concentra aos sábados à tarde no centro da Vila Sorriso – que não é pouco - viu e gostei, imagine o resto!!!!
Resta saber se o povo da internet assistiu.
Deve tê-lo assistido.
Além das coisas boas que Danielle e sua equipe mostraram, o que eu mais gostei foi a declaração do artesão Rosemiro Pereira afirmando que tudo o que está acontecendo no Paracuri teve início com um homem – Antônio Farias Vieira - o Cabeludo nos anos 60, cujo nome, e eu o pessoal do Movimento de Vanguarda de Icoaraci – Mova-CI - tentamos resgatar.
Pois bem - Daniella Filgueiras, publicitária por formação e produtora de TV -, errou de profissão. Deveria ser Jornalista, já que demonstrou categoricamente ser uma repórter completa, supimpa.
Ainda está em tempo.
Só me resta, como maior divulgador de Icoaraci, e Cia agradecer a Daniella e a Moema pelo excelente trabalho.
Ainda não acabou. Vem aí a 2ª e a 3ª partes. Aguardem
►►► Quem não assistiu ao programa ainda tem chance. O Bem Pará será reprisado amanhã/19 às 17h30, isto é, cinco e meia da tarde.
Confiram.

11/16/2006

Icoaraci, sábado/18, na tela da TV Cultura


TV Cultura – Canal 2 exibe neste sábado/18, a partir das 14 horas um programa especial sobre Icoaraci, focalizando aspectos da icoaraciense até então desconhecidos do grande público, como o seu povo, a história, o dia-a-dia, artesanato, cultura, turismo, folclore além da gastronomia. Uma equipe da emissora tendo a frente a produtora Danielle Filgueiras esteve no início do mês de outubro em Icoaraci fazendo tomadas em alguns locais da Vila Sorriso, como o Cruzeiro, centro comercial, Cooperativa dos Artesãos de Icoaraci,a Coarti – que funciona no prédio da antiga estação da Estrada de Bragança, na Rua Padre Júlio Maria ao lado da Praça da Matriz – no bairro do Paracuri e na Pizzaria Vitória - Rua XV de Agosto próximo à Travessa Cristóvão Colombo.
O especial é devidido em três partes. O programa que será exibido amanhã, é reprise do que foi ao ar na terça-feira/14, no horário nobre. Primeiramente será apresentado em Belém e no Estado através das poderosas repetidoras da Funtelpa.
Na primeira apresentação será focalizado o artesanato de Icoaraci, destacadamente a cerâmica marajoara, tapajônica e maracá de forma didática com informações e depoimentos de artesãos..
Além disso, será mostrada um pouco da vida de Icoaraci, ou seja, o dia a dia de uma “Vila Cidade”.
Num segundo momento o especial sobre Icoaraci será mostrado ao Brasil através da Rede Brasil – comandada pela TV Educativa, Canal 2, Rio de Janeiro - e, finalmente à América Latina, uma vez que, a nossa TV Cultura tem convênio com algumas redes e emissoras da Argentina, Chile, Equador, México e Venezuela, via TV Cultura de São Paulo.
Portanto, todo mundo de olho na tela da TV Cultura, a partir das duas da tarde (Hora Paraense de Inverno), para assistir a primeira parte do Especial sobre Icoaraci – a minha Vila Sorriso.
Os amigos que me dão a honra de acessar este blog em alguns pontos do Brasil (Rio, São Paulo, Porto Alegre, Alagoas, Recife, Fortaleza – em todos esses lugares existe icoaraciense!) podem assistir o programa através do site
http://www.portalcultura.com.br/.
Vamos prestigiar a Priscila Filgueiras.

11/15/2006

Icoaraci celebra o 54° Círio de N.Sª das Graças


Com o tema “Maria, ensina teu povo a rezar como Jesus nos ensinou” a comunidade católica de Icoaraci celebra mais um Círio de Nossa Senhora das Graças, o 54º de sua história, no próximo dia 26 de novembro.
Aos 54 anos de devoção mariana, reverenciando Maria, a Senhora Medianeira de Todas as Graças, o povo católico do Distrito de Icoaraci manifesta-se em agradecimento à tantas bênçãos e graças recebidas por intercessão da Mãe do Filho de Deus.
Pela sexta vez à frente da coordenação geral do Círio de Icoaraci, o empresário Reginaldo Garcia Pena não esconde a satisfação de estar mais uma vez no comando da nossa maior festa religiosa. “É realmente uma honra e uma satisfação estarmos coordenando mais um Círio de Nossa Senhora das Graças. É claro que as dificuldades são muitas, mas graças a nossa diretoria e aos nossos colaboradores, sempre conseguimos superar essas dificuldades e atingir nossos objetivos que é realizar um evento voltado a atender os anseios do nosso povo”.
Reginaldo explica que o tema deste ano “Maria, ensina teu povo a rezar como Jesus nos ensinou” quer levar o povo a fazer uma reflexão sobre o Pai Nosso, oração que o Senhor nos ensinou como necessidade vital na vida do cristão e batizado. “Ao dizer Pai Nosso, invocamos a Nova Aliança em Jesus Cristo, comunhão com a Santíssima Trindade e a Caridade Divina, que se estende pela Igreja a toda dimensão do mundo”.
O coordenador lembra ainda que o Pai Nosso contempla sete pedidos, sendo que os três primeiros falam da Glória do Pai: a santificação do seu nome, a vinda do Reino e o cumprimento da vontade de Deus. Os quatro últimos apresentam os nossos desejos concernentes à vida, para nutri-la ou curá-la do pecado e se relaciona com nosso combate, visando à vitória do bem sobre o mal.
Preparativos – Reginaldo Pena explica que o Círio 2006 foi preparado para ser um grande evento de evangelização, começando com a organização das equipes de trabalho, presidida pelos dois Párocos Raimundo Possidônio da Mata (Padre Cid) e George Jenner Evangelista, das paróquias-irmãs São João Batista e Nossa Senhora de Fátima. “O trabalho preparatório iniciou em março e até a fase final alguns eventos já foram realizados”, explicou Reginaldo.
Redação – Os meses marcantes de intensificação dos preparativos começaram em setembro quando foi realizado o concurso de redação com alunos de 5 a 8ª série. Este ano foi vencedora a aluna Beatriz de Souza, da Escola São João Batista.
Peregrinações – De dois de outubro a 23 de novembro começam as peregrinações da imagem da santa nas escolas de Icoaraci. Ao todo devem ser visitadas 33 escolas. De 13 a 19 de novembro acontece a peregrinação em 12 comunidades e nas instituições públicas e privadas.
Imagens – Este ano, segundo informa Reginaldo Pena, foram distribuídas cerca de 180 imagens de N. Sª das Graças, durante a “Missa do Envio”, nas Paróquias de São João Batista e Nossa Senhora de Fátima.
No dia 24 de novembro (sexta-feira) acontece a Missa de Encerramento das Peregrinações nas escolas, pela manhã na Igreja Matriz, Missa do Retorno das Imagens, carreata para a Paróquia de Fátima e inauguração da iluminação da Igreja-Matriz.
No dia 25 (sábado) acontece a Missa e a trasladação da imagem de Nossa Senhora das Graças, saindo da Matriz de Nossa Senhora de Fátima para a Capela de São Sebastião, com a Santa recendo inúmeras homenagens.
No dia 26 acontece a Missa e Romaria do Círio, num percurso aproximado de quatro horas até a Igreja Matriz. Na chegada acontece a Missa Solene celebrada peloo Arcebispo de Belém, D. Orani João Tempesta.
No segundo domingo do Círio (03/12) acontece o Círio das Crianças com a participação dos grupos infantis das paróquias, dos alunos das escolas, e da comunidade. O encontro dos jovens será no dia 10 de dezembro com o tema “Maria, Modelo de oração para os jovens”, reunindo a comunidade jovem no salão Dom Vicente Zico.
Corda – A tradicional corda do Círio deste ano vem de uma fábrica da Bahia, a mesma que confeccionou a corda do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Mede 220 m de comprimento com 2 polegadas de espessura.
Berlinda – A decoração da berlinda da trasladação é de responsabilidade do decorador Zé Barata, que também decora as Igrejas Matriz, de Fátima e de São Sebastião. A berlinda da Santa, no dia do Círio, será decorada com flores vermelho e branco, vindas de São Paulo, doadas pelo senhor Rufino (Rufino’s Recepções), que também fará a decoração.
Matriz – Reginaldo revela que houve uma reforma na pintura da Igreja-Matriz, na iluminação, bem como a confecção dos arcos, consumindo cerca de 10 mil reais, em recursos próprios.
Fogos – Os tradicionais fogos custaram aos cofres da coordenação, nove mil reais. Serão utilizados durante o quinzenário e na última noite. Foram confeccionados pelo renomado Manoel Fogueteiro.
Festa Profana - O coordenador geral do Círio de Icoaraci, Reginaldo Pena, enfatiza que, além da programação litúrgico-religiosa, o povo terá uma programação elaborada todas as noites na Barraca da Santa, com apresentações culturais variadas, além de um cardápio com pratos regionais. Essa programação, segundo Reginaldo Pena, tem renda revertida às obras sociais desenvolvidas pela paróquia. Mais uma vez os brinquedos do arraial são de responsabilidade do Ita Center Parque.
O quinzenário das festividades vai até o dia 11 de dezembro, quando acontece a Missa de encerramento e a romaria do Recírio, que conduz a imagem da Santa de volta ao Colégio Nossa Senhora de Lourdes.
Saudação - Reginaldo faz questão de observar que em 54 anos de tradição, apenas uma coisa não sofreu mutação: a fé, a religiosidade da família icoaraciense, que a cada ano se renova na caminhada de evangelização. “É tão bonita a participação do povo, que todos os anos no 4° domingo de novembro, caminha com a Virgem das Graças pelas ruas de Icoaraci. Os romeiros vêm de longe para homenageá-la e agradecer e pedir a sua intercessão junto ao seu filho amado. Por isso eu desejo a todos um feliz e abençoado Círio”, finalizou Reginaldo Pena.
_______________
Messias Lyra
* Com a colaboração de Cláudio Croelhas

11/08/2006

A morte de Oliveira Bastos




- 08 de Novembro de 2006

HÉLIO
FERNANDES_______________________________________________


Eclético, lúcido, inesquecível

Já começo a manhã com a notícia que não me surpreendeu mas me entristeceu de forma impressionante. Já esperava, essa tristeza foi a morte de Oliveira Bastos. Atingido violentamente pelo câncer, resistia bravamente, como resistiu em outras oportunidades, por motivos os mais diversos. E o mais importante é que se dizia um não resistente, embora não abandonasse nunca a trincheira.Foi sem dúvida um dos maiores jornalistas brasileiros. E nem adianta enclausurá-lo na sua geração e no seu tempo, pois Oliveira Bastos era incomparável. Seu texto era claro, límpido, lúcido, elucidativo. Dava a impressão de que escrevia recitando as recomendações de Graciliano Ramos: "Uma frase só está pronta quando não se pode tirar ou acrescentar uma palavra que seja".Mas Oliveira Bastos era mais do que jornalista, do que escritor, era uma personalidade e um personagem excelso e irredutível. E tinha outro título que ninguém tem mais, a internet matou todos como o câncer matou Oliveira Bastos: conversador. Podia passar horas e horas, tinha o que falar e o que ouvir.
Eclético em tudo, com uma cultura sólida e acumulada em anos e anos de leitura, era também eclético nas amizades. Foi sempre um dos meus maiores amigos, e sem dúvida alguma o mais incondicional amigo de Roberto Campos, com "lanterna na popa" e tudo. Nunca me falou sobre Roberto Campos, nunca falou a ele sobre Helio Fernandes. Essa é uma característica e uma qualidade que poucos têm e só raros percebem. E praticam.
De 1996 a 2003 ficou no Maranhão, voluntário da pesquisa e da literatura. Telefonava regularmente, me dizia satisfeitíssimo: "Estou aqui fechado, isolado, empoeirado, mas realizado. Vou desmontar a farsa da literatura do Nordeste, mostrar a verdadeira dimensão da `Bagaceira', do José Americo, e do `Quinze', da Rachel de Queiroz".
Era um apaixonado pela Literatura. E com aquele jeito irresistível, com o riso que era impossível de interpretar, me acusava fortemente: "Você me desencaminhou, me introduziu no jornalismo, eu só queria fazer literatura. Sonhava em escrever um rodapé como Agripino Grieco, Alceu Amoroso Lima, e mais tarde Alvaro Lins, você me obrigou a fazer coluna diária. E sobre política, que eu detesto".
Em 1972, o episódio estrepitoso e retumbante de quem esperava que a vida o mantivesse longe de polêmicas, debates, contradições. Mas só ele mesmo acreditava nisso, pois era um debatedor extraordinário. Um dia me falou: "Helio, vou passar 1 mês sem escrever, quero descansar no Pará, de onde nunca deveria ter saído". O que eu podia fazer? Concordar, lógico.
Como despedida foi jantar no Bistrô, na época o Centro do Rio, onde quase todos acabavam a noite. Era um feudo de Delfim-ministro-todo-poderoso, que raramente ia a Brasília. Lá no Bistrô, Delfim dizia: "Os dias no Poder são maravilhosos. Ah! Mas as noites do Poder, essas são inesquecíveis". Delfim reinava junto sua corte jovial e juventude.
Oliveira Bastos vinha escrevendo muito sobre (e naturalmente contra) Delfim. Os "Delfim-boys" viram Oliveira Bastos e o agrediram brutalmente. Ele saiu de lá, foi para a redação da Tribuna, escreveu artigo magnífico (redundância), deixou em cima da minha mesa, com um bilhete: "Helio, se não quiser publicar, não publique, escrevi enraivecido". E terminava: "Mas o que me enfureceu mesmo, Helio, é que o gordo assistiu tudo, ria enquanto me agrediam".
PS - Nessas circunstâncias eu publicaria qualquer artigo, naturalmente publiquei o do Oliveira Bastos. Meu erro foi não ter repetido o artigo 3 dias seguidos. Agora não dá, Bastos, mas ainda conversaremos sobre o assunto.
______________________

N da R - Oiveira Bastos era paraense. Começou como repórter da Folha do Norte . Há mais de 50 anos emigrou para o Rio de Janeiro – atiou em todos os jornais, inclusive na Tribuna da Imprensa onde ficou mais tempo - e depois para Brasília (Correio Brasiliense).
O jornalismo do Pará ficou mais pobre.
Paz à sua alma.

11/07/2006

Posta Restante



“Muito lúcida aquela tua matéria tipo carta pedindo a Ana Julia por Icoaraci falando inclusive do poeta Antônio Tavernard. A título de colaboração te envio um recorte da nota que saiu no sanado, dia 4, na coluna do Bernardino Santos, falando do poeta que desapareceu precocemente, e que deixou uma lacuna muito grande na cultura da tua, da nossa Vila Sorriso.
Livro do poeta
O presidente do Conselho Estadual de Cultura, professor Clodoaldo Beckmann, acaba de mandar para a Secult a obra completa do poeta Antônio Tavernard, cuja produção, preparada para edição, foi encontrada por Bekcmann em um armário do Conselho. Junto com os textos havia pareceres de Maria Anunciada Chaves e de Clóvis Silva de Moraes Rego, ambos falecidos, recomendando a publicação. “O Presidente do CEC apresentou o achado aos integrantes do colegiado e, de acordo com os conselheiros Amarílis Tupiassu e João Carlos Pereira, da Câmara de Literatura, ficam mantidos os pareceres dos saudosos mestres, recomendando a publicação” .

Leontino dos Prazeres Serra
Pratinha II

Obrigado, Leo.
Valeu.
Sempre ás ordens.

_________________

“ ....Eu o vi no Outeiro nesse domingo, almoçando um filhote na chapa na Praia do Amor, bem acompanhado... digo, ao lado da sua bela esposa. Fazia um tempão que você não pintava por aqui, até achei estranho. Você não pretende voltar para cá? O pessoal está sentindo a sua falta. Depois que se foi Outeiro foi esquecido pela média em todos os pontos de vista. O pessoal dos blocos carnavalescos está lhe esperando... e o jornal saiu?

Domingos Corrêa Bentes
Água Boa. Outeiro

Nossa. E eu que pensei que o povo do Outeiro tivesse me esquecido.
Que legal.
Por enquanto não pretendo retornar ao Outeiro. Vou ficar na Comus/Gabinete do Prefeito.
Quando ao Jornal das Ilhas, está circulando.
Um abraço aos dirigentes das agremiações carnavalescas outeirenses.
Mandem notícias.
Publiquei parte do seu e-mail, percebeu?
Mantenha contato sempre.

__________

Você conhece as peripécias dos do Fuluca e do Agostinhão, dois personagens folclóricos de Icoaraci? Um muito azarento e outro muito mentiroso?!

Ernestino da Gama Cobreiro
Estrada do Outeiro

Claro.
Quem não conhece, ou pelo menos já ouviu falar nesses dois?
Oportunamente vou reunir algumas histórias (verídicas!) da dupla e publicá-las.
Aguarde.
_________________

Contatos: aldemyrfeio@oi.com.br / aldemyrfeio@belem.pa.gov.br

11/04/2006

Ana Júlia – Icoaraci precisa de você


"Governadora,

Permita-me que eu a trate de você.
Você me conhece e sabe que eu sou filho de Icoaraci; ou seja, sou pé redondo legítimo, assumido e juramentado.
Não sou político, contudo, faço a minha parte.
Durante esses anos todos através dos meus textos, dos jornais citadinos e locais – atualmente sou responsável pelo jornal O Estado que há 17 anos circula ma vila que apelidei de Sorriso, há 38 anos – e há sete meses nesse espaço eletrônico, defendo com unhas e dentes a minha terrinha, esse pedaço de Belém tão simpático e aconchegante que me serviu de berço.
Ana Júlia,
Icoaraci precisa muito do apoio do Governo do Estado.
Em todos os sentidos.
Nesses últimos 12 anos muito pouca coisa tem sido feita em prol da minha Vila Sorriso.
Durante a campanha do seu opositor, o Dr. Almir Gabriel, em conversa franca e direta com as mais expressivas lideranças comunitárias de nosso Distrito, realizada no dia 22 de setembro, na sede do Impala – uma casa de festas, espetáculos e eventos na Rua 15 de agosto, 4ª Rua – o candidato do PSDB assumiu com o povo de Icoaraci vários compromissos que cumpriria se fosse eleito.
Como isso não ocorreu, o povo de Icoaraci – que sabe que você não alimenta ranços políticos e está acima dessas coisas menores que não levam a nada – espera que você assuma as rédeas do negócio, bote pra frente e ajude Icoaraci e o seu povo a sorrirem novamente.
Eis as reivindicações aprovadas no encontro:

* Construção de um ginásio poliesportivo para 4.000 expectadores visando fomentar o esporte, o lazer e a cultura popular;
* Transformação do Hospital “Abelardo Santos” – Agulha - em unidade de média complexidade;
* Continuidade da parceria com a Prefeitura de Belém para o completo asfaltamento do Conjunto Cohab;
* Restauração de nossa antiga Estação Ferroviária para transformá-la no Centro de Artesanato da Amazônia;
* Parceria com a Prefeitura de Belém para a recuperação da Rodovia Arthur Bernardes, a partir da Base Aérea de Belém – Pratinha I;
* Parceria com a Prefeitura de Belém para o asfaltamento da 5ª Linha do Tenoné e o seu prolongamento a comunidade Fé em Deus;
* Parceria com a Prefeitura de Belém para a revitalização do Distrito Industrial - que nesses dois lustros nada recebeu do Governo do restado -, incentivando a instalação de novos empreendimentos e novas empresas;
* Ampliação do efetivo humano e de viaturas do 10º Batalhão de Polícia Militar (10º BPM);
* Implantação de uma unidade integrada de polícia no bairro do Tenoné, e.
* Construção de pelo menos uma noiva e grande escola de ensino médio no território Icoaraciense.

Além dessas reivindicações, eu acrescento mais três:

* Restauração completa da casa onde nasceu o poeta Antônio Tavernard – o poeta de Icoaraci – onde hoje funciona o Cisju e que está abandonada e quase às ruínas, na Rua Siqueira Mendes (1ª Rua) próxima da Travessa São Rocque;
* Construção de monumento contendo o busto do poeta Antônio Tavernard num logradouro de Icoaraci; de preferência na Praça da Matriz – em parceria com a Prefeitura de Belém – levando em conta que “Tony” era católico praticante e quando nasceu foi consagrado a São Francisco de Assis - portanto era “Irmão Terceiro Franciscano” e, finalmente,
* Maior apoio, atenção, ajuda e o que puder fazer aos artesãos de Icoaraci, via Paratur e Sebrae.

Isso é um pouco do muito que o povo da minha Vila Sorriso espera de você, Ana Júlia.
Com a amizade e o apreço.

Aldemyr Feio"